sábado, 28 de maio de 2016

Frase do dia

A chance de Dilma voltar é zero.

Geddel Vieira Lima, ministro da Secretaria de Governo

Charge do dia


Da coluna de Magno Martins

Postado por Magno Martins


Risco de Temer está no TSE

Quando a corrupção vira um dos principais motes dos que defendem o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff (PT), muitos argumentam que o presidente interino Michel Temer (PMDB) também pairam suspeitas. Mas o que de fato há contra? As suspeitas e ameaças vêm de cinco frentes, entre elas a operação Lava Jato. É importante lembrar, no entanto, que, na Presidência, Temer provavelmente não pode ser julgado pelas suspeitas que pairam sob ele na Lava Jato.

A Constituição diz que, no período em que exerce a Presidência, um presidente não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao mandato. A maior batalha do presidente interino não será no Senado na votação decisiva do impeachment de Dilma, mas no Tribunal Superior Eleitoral, onde tramita processo de cassação da chapa Dilma-Temer.

No Senado, Temer pode cortejar aliados com ministérios e apoio político. Já no TSE, corte de apenas sete ministros, com apenas quatro votos o hoje presidente interino pode voltar para casa mais cedo do que imaginava. O PSDB moveu quatro ações contra a chapa Dilma-Temer. Nesses processos, o partido aponta supostos episódios de uso da máquina do Governo na campanha petista, como participação indevida de ministros e envio de 4,8 milhões de folders pró-Dilma pelos Correios.

Também cita a operação Lava Jato e a possibilidade de recebimento de doações de empreiteiras envolvidas em desvios de recursos da Petrobras, o que caracterizaria abuso de poder econômico. Dilma e Temer já negaram as acusações com argumento de que a campanha de Aécio Neves (PSDB) também recebeu recursos das mesmas empresas.

Recentemente, Temer entrou com um pedido para separar sua responsabilidade da de Dilma nos processo de cassação. Ele argumenta que não pode ser responsabilizado por atos cometidos por ela, mas o TSE negou. Não há previsão ainda de quando as ações serão julgadas. Se a maioria dos ministros considerar que a chapa Dilma-Temer deve ser cassada antes da conclusão de dois anos de mandato, nova eleição presidencial direta deve ser convocada. Se decisão desse tipo for proferida a partir do ano que vem, haveria eleição indireta no Congresso.

BATEU, LEVOU!– O agora deputado federal Danilo Cabral, que deixou a Secretaria de Planejamento quinta-feira e assume o seu mandato na próxima segunda-feira, rebateu as declarações do senador Armando Monteiro Neto, de que o Estado vive uma grave crise por falta de uma gestão eficiente e uma liderança expressiva. “O senador ainda está remoendo a derrota que sofreu para Paulo Câmara. Os pernambucanos querem saber o que ele fez pelo Estado nos quase dois anos em que esteve à frente do Ministério”, ironizou. O líder do Governo na Alepe, Waldemar Borges, disse que o ex-ministro não trouxe um fiteiro para o Estado.

Oferta de vice ou laranja?–
 Inelegível (porque não tem votos), o candidato de mentirinha do PV a prefeito do Recife, Carlos Augusto, esteve no lançamento da pré-candidata do DEM, Priscila Krause, recentemente foi visto degustando um bom vinho num jantar com Sílvio Costa Filho, pré-candidato do PRB, e esta semana fez uma visita ao também pré-candidato do PSDB, Daniel Coelho. Diante de tamanha movimentação estranha passou a correr nos bastidores uma piadinha que levanta uma dupla suspeita: a de que está distribuindo currículo para vice ou é de fato uma espécie de “candidato laranjal”.

Base sólida no Congresso- A redução da meta fiscal na sessão do Congresso que atravessou a madrugada da quarta-feira levou o Governo a avaliar que tem uma base aliada sólida para aprovar, inclusive, propostas de emenda à Constituição. A avaliação é do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. "A votação demonstrou que o Governo tem a musculatura do placar que aprovou o impeachment", diz ele, para quem a base governista atualmente corresponde a dois terços da Câmara e do Senado.

Sem risco de parcelamento– O governador em exercício do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli, confirmou, ontem, que os salários de maio dos servidores estaduais serão parcelados, mais uma vez. A previsão é quitar a folha no dia 13 de junho. "Para nós, não há dúvida. É uma certeza, porque nós temos uma dificuldade bastante grande no caixa do Estado e estamos pagando de acordo com a nossa capacidade”, disse Cairoli. Em Pernambuco, o secretário de Planejamento, Márcio Stefani, garante que não há risco de parcelamento de folha.

Secretário disputa em Salgueiro–
 Em Salgueiro, o prefeito Marcones Libório Sá (PSB), na foto ao lado, se viu obrigado a construir um novo candidato do grupo à sua sucessão depois que a candidata natural, Creuza Pereira, ex-prefeita, assumiu seu mandato de deputada na Câmara dos Deputados com a convocação de quatro federais da bancada pernambucana. O nome mais cotado é o do secretário de Planejamento, Marcelo Sá. Na oposição, devem entrar o empresário Clebel Cordeiro, do PMDB, e o vereador Márcio Memédio (PRB), ex-presidente da Câmara Municipal.

CURTAS

EM PONTO MORTO– Já em Arcoverde, o que corre nos bastidores é que a pré-candidata da oposição à prefeita, Nerianny Cavalcanti (PTB), não decolou, conforme pesquisa em poder do grupo do deputado Zeca Cavalcanti, esposo dela. Se até o final de julho o nome dela não reagir, não está afastada a possibilidade de o candidato ser o próprio, com a intenção de ir à desforra com a ex-aliada, a prefeita Madalena Brito, agora no PSB.

PENSE NUMA BRONCA!- Na próxima quarta-feira, o prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, requere licença da presidência da Associação Municipalista (Amupe) para se dedicar integralmente à campanha da sua reeleição. Por enquanto, não tem adversário, mas um nó pela frente complicadíssimo para desatar devido ao projeto de 2018, quando deseja disputar um mandato de deputado federal.

Perguntar não ofende: Quem é detonado primeiro: Renan ou Aécio?

Áudios provam o golpe… do PT contra o erário


Josias de Souza



Os historiadores fascinarão os brasileiros do futuro quando puderem se pronunciar sobre os dias atuais sem se preocupar em saber o que vai sobrar depois que a turma da Odebrecht começar a suar o dedo. O relato sobre o apocalipse do PT no poder encontrará a exatidão no exagero. Buscará paralelos na dramaturgia grega ao relatar como o petismo saiu da História para cair na vida.

No início desta semana, o PT imaginou que poderia reescrever a história a partir da gravação de uma conversa em que Romero Jucá insinua para Sérgio Machado que a queda de Dilma e a ascensão de Temer poderia resultar num “pacto” para “estancar a sangria” da Lava Jato. Está confirmado o golpe, alardearam Dilma e os petistas.

Passaram-se os dias. Sobrevieram as gravações dos diálogos que Machado travou com Renan Calheiros e José Sarney. Veio à luz a delação do ex-deputado Pedro Corrêa, do PP. Antes que pudesse comemorar uma mudança dos ventos, o PT viu-se enredado num redemoinho que o devolveu rapidamente à defensiva.

Numa das conversas colecionadas por Machado, Sarney declarou que a própria Dilma pediu dinheiro à Odebrecht para nutrir a caixa registradora de sua campanha e remunerar o marqueteiro João Santana. Previu que madame será abatida numa confissão da turma da empreiteira, “metralhadora ponto 100”.

Em sua delação, Corrêa iluminou o submundo em que Lula se meteu para comprar apoio congressual com dinheiro roubado da Petrobras. Estilhaçou a retórica do “eu não sabia” ao relatar reuniões em que o morubixaba do PT apartou brigas dos aliados por dinheiro ilegal e ordenou a nomeação de diretores larápios para a estatal petroleira.

Quando puder relatar à posteridade tudo o que sucedeu, a História descreverá uma fantástica sequência de fatos extraordinários acontecidos com pessoas ordinárias —em todos os sentidos. E concluirá que houve, de fato, um golpe no Brasil. Um golpe do PT e da quadrilha que gravitou ao seu redor contra o erário.

Da coluna de Inaldo Sampaio


 Roberto Magalhães
Senado inocentará Dilma, diz seu ex-líder
Postado por Inaldo Sampaio

Coluna Fogo Cruzado – 29 de maio

Humberto Costa disse no Recife que o PMDB não queria derrubar Dilma por causa das “pedaladas” e sim para livrar-se da Lava Jato

Ex-líder do governo Dilma no Senado, Humberto Costa está apostando que as oposições não terão os 54 votos necessários para afastar a presidente da República em caráter definitivo. Sua expectativa advém do fato de que as conversas gravadas entre Sérgio Machado, José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá teriam mudado o voto de muitos senadores. Alguns que votaram pela admissibilidade da denúncia, como Cristovam Buarque (PPS-DF), por exemplo, não estariam decididos a votar favoravelmente ao impeachment. A denúncia foi acolhida por 55 votos contra 22, donde se deduz que se esse placar for repetido, Dilma não escapará. Humberto acredita, no entanto, que após o vazamento das gravações o clima no Senado se alterou porque ficou claro que o PMDB não queria derrubar Dilma por causa das “pedaladas” e sim para livrar seus membros da Operação Lava Jato. É uma opinião pouco consistente, porém uma opinião.

Pesquisa sobre o “golpe”

Chegou ao conhecimento do PSB pesquisa feita no Recife com 6 mil entrevistas na qual metade dos eleitores acredita que Dilma foi vítima de um “golpe” tal qual dizem PT e PCdoB. Significa que se João Paulo (PT) for candidato a prefeito, terá um argumento forte para se contrapor a Geraldo Júlio (PSB), Daniel Coelho (PSDB), Carlos Augusto Costa (PV) e Priscila Krause (DEM), que apoiaram o impeachment.

Desafio – Márcio Stefanni, ex-secretário da Fazenda e atual do Planejamento, não terá muitos problemas para tocar os programas vinculados à sua pasta, especialmente o FEM (Fundo de Apoio aos Municípios) e o Chapéu de Palha. Seu maior desafio é reaprumar o “Pacto pela Vida”, que começou a desandar desde 2015.

Licença – José Patriota (PSB) afastou-se da presidência da Amupe para cuidar de sua reeleição em Afogados da Ingazeira, mas nem precisava. Até agora, não apareceu ninguém da oposição disposto a enfrentá-lo.

Aposta – Nas casas de aposta de Caruaru, o que mais se discute hoje é se Paulo Câmara tomará partido ou não na próxima eleição municipal, quando irão se enfrentar dois aliados seus: Tony Gel (DEM) e Jorge Gomes (PSB).

Fila – Se o secretário Nilton Mota (Agricultura) desistir da candidatura a prefeito de Surubim, como deseja o governador Paulo Câmara, a bola da vez no PSB será Ana Célia Farias, esposa do vereador Biu Farias.

Reeleição – Os irmãos Anderson (PR) e André (PSC) Ferreira, o primeiro deputado federal e o segundo estadual, ainda não sacramentaram o apoio à reeleição do prefeito Geraldo Júlio (PSB), mas a presença de ambos no Palácio, na posse dos novos secretários, é sintoma de que a aliança está praticamente selada.

Receptor – Danilo Cabral (PSB) não fará oposição a Temer na Câmara Federal, tampouco obedecerá à orientação do líder do governo André Moura (PSC-SE). Ficará numa posição de independência. Ele diz que o novo presidente já falou para o “mercado” e para o “Congresso”, mas ainda falta falar para a “sociedade”.

Pesadelo – Do ex-governador Roberto Magalhães sobre o vazamento dos diálogos entre Sérgio Machado, Sarney e Renan Calheiros: “Custo a crer que um ex-presidente da República e o atual presidente do Congresso acreditaram que poderiam fazer um acordo político com a imprensa e o STF para barrar as investigações da Lava Jato. Sinto-me como se estivesse vivendo um pesadelo e minha única esperança é acordar”.

Na crise, meta ambiciosa e foco na Educação



Publicado por Branca Alves

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Independente das turbulências pelas quais passa o País na política e da crise econômica, a meta da gestão Paulo Câmara para a área de Educação é ambiciosa: chegar ao fim do governo, apresentando a melhor educação pública do Brasil. Se há contingenciamento em várias áreas, a Educação é a pasta que contabiliza, hoje, mais obras no Estado. Para o mês de junho, está previsto lançamento de novo projeto que deve representar um passo a mais na caminhada rumo ao primeiro lugar no ranking do Ideb, referente ao Ensino Médio. Hoje, o Estado ocupa a quarta colocação. O governo está montando times para fazer um piloto com algumas prefeituras, visando a uma expansão posterior. A lógica da iniciativa é ajudar municípios a incrementar o resultado da Educação nas redes municipais para melhorar, consequentemente, os índices no Estado. “Os municípios já foram selecionados”, adianta Paulo Câmara à coluna. E detalha: “A gente está com trabalho forte agora, buscando uma integração maior com os municípios. Essa integração ensino fundamental/ensino médio é adequada, porque os alunos têm que chegar cada vez melhores no ensino fundamental para que o ensino médio possa crescer da forma como a gente quer que cresça”. Em 2007, Pernambuco figurava na 21ª posição no ranking do Ideb, chegou à 4ª e tem, até, 2018, para subir ao primeiro lugar das 27 unidades da federação. Em razão disso, na mudança recente, realizada, em seu primeiro escalão, o governador não cogitou trocar de função o secretário da Educação, Fred Amâncio.

Municípios já foram selecionados para piloto


(Foto: Aluisio Moreira/Divulgação)

Negócios à parte
A despeito de o Democratas, partido do ministro da Educação, Mendonça Filho, ter saído, recentemente, da gestão estadual por iniciativa do governador Paulo Câmara, ele mesmo aconselhou seu secretário, Fred Amâncio, a comparecer à posse de Mendonça. “Fui à cerimônia de posse. Inclusive, o governador recomendou: `Vá Fred!`”, registra o auxiliar.

Certeza > O secretário ainda não teve audiência com o ministro. Conversaram um pouco na solenidade, em Brasília. “Mas não tenho nenhuma dúvida de que a gente vai sempre ter bom acesso ao Ministério da Educação”, observa Fred, definindo Mendonça Filho como uma “pessoa séria”.

Recursos 1 > Fred, entretanto, registra que mais “estratégico” para o Estado do que o Ministério é o nome que comandará o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Como funciona? “Todo recurso circula pelo FNDE, que tem um conjunto de regras técnicas e uma série de burocracia interna. Funciona até em outro prédio, é quase que autônomo em relação ao ministério”, explica o secretário.

Recursos 2 > Ainda não ficou decidido quem comandará o fundo, que é responsável por liberar recursos das escolas técnicas, por exemplo. Do ano passado para cá, Paulo Câmara inaugurou sete escolas técnicas. Hoje, inaugura mais uma, em São Lourenço da Mata.

Sinais > Secretário de Agricultura, Nilton Mota foi mantido, por Paulo Câmara, em seu primeiro escalão, a despeito da reformulação formalizada ontem. Já Ana Célia Farias, outro nome que figura como pré-candidata a prefeita de Surubim, deixou o comando da Secretaria de Assistência Social – executiva da pasta de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude – já faz alguns dias.

Páreo > Além de Nilton Mota e Ana Célia Farias, figuram como pré-candidatos na cidade ainda: Fabrício Brito, atual presidente da Câmara de Vereadores, Fábio Barbosa, vice-prefeito e o próprio prefeito, Túlio Vieira, que concorre à reeleição.

Bastidor > Antes da posse dos secretários, Paulo Câmara recebeu o deputado Romário Dias com quem conversou, por mais de uma hora, sobre a política dos municípios pernambucanos. Também levou demandas de Correntes, João Alfredo, Lagoa do Ouro, Paudalho e Serrita.

João Lyra e Jarbas discutem política nacional

Publicado por Alex Ribeiro




Encontro ocorreu no escritório do peemedebista, nesta sexta-feira (27) (Foto: Roberto Pereira Jr./Divulgação)

O desembarque do PSDB da Frente Popular de Pernambuco acabou não afastando algumas lideranças políticas do Estado. Antigos aliados, o ex-governador João Lyra Neto (PSDB) e o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB) estiveram reunidos nesta sexta-feira (27). A iniciativa partiu do tucano, que foi até o escritório político do peemedebista.

Os dois conversaram por cerca de 1h para discutir o novo cenário da política nacional e as primeiras medidas tomadas pelo presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), para retomada do crescimento econômico e da moralidade pública.

“É sempre bom ouvir a opinião do meu amigo Jarbas Vasconcelos para saber dos novos rumos do Brasil. Considero o deputado e ex-governador um dos políticos mais competentes e atuantes do atual cenário político brasileiro”, comentou Lyra.

O PSDB, de João Lyra Neto, rompeu com a Frente Popular por conta da candidatura do partido à Prefeitura do Recife, através do deputado federal Daniel Coelho.

O ex-governador deixou recentemente o PSB para se filiar ao partido tucano devido a escolha do governador Paulo Câmara (PSB) em não apoiar a sua filha, deputada Raquel Lyra, para concorrer à Prefeitura de Caruaru nas eleições deste ano. A parlamentar seguiu o caminho do pai e também ingressou no PSDB.

FBC cumpre agendas com foco na educação


Publicado por Branca Alves


(Foto: Divulgação)

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) cumpriu duas agendas voltadas para a educação nesta sexta-feira (27), em Petrolina, no Sertão, acompanhado do deputado estadual e pré-candidato à prefeitura local Miguel Coelho (PSB).

No início da manhã, ele conversou com professores e gestores do Instituto Federal do Sertão. Em seguida, recebeu representantes do Centro de Recuperação de Áreas Degradadas da Universidade do Valo do São Francisco (Crad/Univasf).

Durante a conversa, o senador pediu à reitora do Instituto, Leopoldina Veras, um levantamento detalhado das atividades e planejamento da instituição para o segundo semestre e para 2017. Em junho o senador irá participar de uma reunião entre os representantes do Instituto Federal e o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), e quer aproveitar a oportunidade para garantir mais recursos para o IF.

Em seguida o senador dialogou com coordenador do Crad, professor José Alves Filho, que relatou as dificuldades enfrentadas pelo centro para manter as atividades. O socialista assegurou que irá levar o tema ao conhecimento do ministro para que o Crad permaneça promovendo os estudos necessários no Vale do São Francisco.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Santa Cruz do Capibaribe realizará audiência pública para implantação de Conselho de Defesa Civil



Com o intuito de ouvir representantes de entidades, órgão públicos e a população em geral, a Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, por meio da Coordenadoria de Defesa Civil, realizará na manhã da próxima sexta-feira (27), na Câmara de Vereadores, uma audiência pública para implantação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Civil.


A criação do Conselho vai contribuir com o planejamento do trabalho da Defesa Civil, priorizando o funcionamento das principais ações de prevenções de acidentes no município. “Depois de 60 anos de história e emancipação política, Santa Cruz do Capibaribe vai ter um Conselho de Proteção e Defesa Civil. Esperamos que a sociedade entenda, participe desse conselho e descubra a importância de seguir algumas orientações no tocante à Defesa Civil”, disse Bartol Neves, coordenador de Defesa Civil em Santa Cruz do Capibaribe.

Na oportunidade, serão debatidos diversos temas, como: áreas improprias para construções, alagamentos e fissuras (rachões) em imóveis, entre outros. O evento será aberto, terá início às 8 horas da manhã e todos os cidadãos poderão participar.

Charge do dia


Da coluna de Magno Martins


Postado por Magno Martins

Armando quer revanche com Câmara

De volta ao cenário estadual, disposto a mergulhar fundo nas eleições municipais, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) deu, ontem, na entrevista que concedeu ao Frente a Frente, uma demonstração de que vai, enfim, assumir o verdadeiro papel que a as urnas atribuíram a ele: de principal líder da oposição. Armando fez uma radiografia extremamente negativa e pessimista da situação do Estado pilotado pelo socialista Paulo Câmara.

“Problemas todos os Estados têm e, devo reconhecer que há uma crise econômica no País, mas o que se verifica hoje em Pernambuco é uma falta de presença do governo”, disse, para acrescentar: “O que existe é um quadro de desgoverno, de falta de rumo. Pernambuco está sem rumo, sem lideranças. Esse é o sentimento que vimos por onde passamos e até aqui em Brasília”.

Armando foi derrotado por Paulo Câmara nas eleições passadas, mas de imediato não entrou no dia a dia das questões locais porque recebeu da presidente afastada Dilma Rousseff convite para assumir o Ministério do Desenvolvimento, no qual ficou quase dois anos, fazendo incursões no mundo inteiro, mas agora, com o novo quadro nacional provocado pela admissibilidade de Dilma no Senado, foi obrigado a traçar uma estratégia que passa pela recomposição das suas forças no Estado e por um discurso mais crítico em direção ao PSB.

“Pernambuco precisa de oposição, de fiscalização. Não é oposição ao Estado, mas a tudo que está levando o Estado ao fundo do poço. Eu, por exemplo, no Senado, tenho obrigação de apoiar tudo que for de interesse do Estado, mas é preciso que se fortaleça a presença fiscalizadora da oposição em Pernambuco, que deve cobrar as ações do Governo, exigir que a ação governamental possa atender o interesse da população”, afirma.

Na mesma entrevista, quando provocado a responsabilizar o governador pelo que enxerga de um verdadeiro caos, o senador preferiu não culpar exclusivamente a figura de Paulo Câmara. “Não gosto de fazer juízos pessoais. O que há é um desgaste muito acentuado da administração, que está evidente nas pesquisas que temos em todas as regiões de Pernambuco. O que se verifica é um déficit de liderança. É como se de repente o Estado não tivesse um rumo claro”, desabafou.

Há muito, Armando já vinha dando suas estocadas no Governo, mas com o tempo tomado pelas funções de ministro que ocupou, acabou não fazendo uma marcação mais cerrada, certamente esperando dar mais tempo. Era, convenhamos, uma espécie de trégua, que chegou ao fim, definitivamente, coincidentemente quando se aproximam as eleições municipais, nas quais tem que levar o seu partido a sair das urnas bem mais robusto, porque já está de olho no Palácio das Princesas.

É candidato, novamente, a governador. Uma revanche com Câmara, agora sem o efeito da comoção da morte do ex-governador Paulo Câmara, que o tirou da liderança nas pesquisas, é tudo que o senador sonha e deseja.

VAI DE SILVINHO– No plano da eleição do Recife, Armando Monteiro até pensou em cacifar a candidatura da deputada Priscila Krause, do DEM, mas percebeu que não tinha um discurso de sustentação para justificar seu afastamento do palanque de velhos aliados, como o pré-candidato do PRB a prefeito, Silvio Costa Filho, filho do deputado federal Silvio Costa, cão de guarda do senador. Mas numa eventual segundo turno, se Silvio Filho não chegar lá, tanto pode apoiar Priscila quanto o tucano Daniel Coelho, mesmo que ambos sejam de partidos de oposição ao conjunto das forças de Armando no cenário nacional.

O segundo pernambucano– 
Com a nomeação de Luiz Otávio Cavalcanti para a Fundação Joaquim Nabuco, o ministro da Educação, Mendonça Filho, emplaca o segundo pernambucano em estruturas da sua pasta. O primeiro foi o professor Maurício Costa Romão, que assumiu a Seres (Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação). Na prática, ele vai mostrando que ganhou um Ministério de porta fechada e que tem autonomia para montar a sua equipe de trabalho.

Os assediados por Dilma- O PT precisa de apenas dois votos para reverter o jogo do impeachment na votação definitiva em plenário, em agosto. São alvos de assédio os senadores Cristovam Buarque (PPS-DF), Antônio Reguffe (sem partido-DF) e Hélio José (PMDB-DF). Cristovam e José afirmaram na primeira sessão que votaram apenas pela abertura do processo e que poderiam mudar de opinião. Já Reguffe, que tem planos para disputar o Governo do DF, foi mais crítico em seu discurso contra o Governo Dilma, mas ele faz parte do grupo de senadores que defendem a PEC das novas eleições.

Sugadores da viúva– A EBC – Empresa Brasileira de Comunicação – era uma grande farra na gestão do PT. Sites voltados para defender o Governo recebiam rios de dinheiro, como os de Luís Nassif, Paulo Moreira Leite, Emir Sader e de Tereza Cruvinel, esta ex-presidente. Somados os contratos desses jornalistas a viúva sangrava com R$ 3 milhões por ano. Levantamento feito pela gestão Temer indicam que o projeto de transformação da EBC em uma instituição pública de comunicação chegou o engolir R$ 3,6 bilhões. Era uma teta para jornalistas chapas branca do petismo.

O alvo é Sérgio Moro–
 É patética a tentativa de transformar as conversas gravadas por Sérgio Machado em provas de que o impeachment é parte de complô para acabar com a Lava Jato. Dilma e Lula estavam empenhados nesse objetivo e estão sendo investigados por obstrução de justiça. As conversas, na realidade, revelam que o mundo político está mobilizado para tentar controlar o juiz Sérgio Moro (foto), a Polícia Federal e o Ministério Público.

CURTAS

PONTO A PONTO– Os cientistas políticos Antônio Lavareda, Fernando Schüler e a jornalista Mônica Bergamo conversam sobre a configuração do Governo Michel Temer no Ponto a Ponto de amanhã na BandNewsTV. O semanal vai ao ar à meia-noite, com reprises no domingo às 17h30; na terça (31) e na quinta (2), às três horas. Lavareda pondera que o governo Temer tem um perfil parlamentarista.

TAPA-BURACO- o deputado federal Kaio Maniçoba (PMDB) cobrou ao secretário estadual de Transportes, Sebastião Oliveira, por meio do Departamento de Estrada de Rodagem (DER), a realização imediata de uma operação tapa-buraco no trecho da BR – 122, entre os municípios de Lagoa Grande e Santa Cruz. O percurso tem verdadeiras crateras, que colocam em risco a vida de muita gente que trafega por lá.

Perguntar não ofende: Qual o próximo escândalo da série provocado pelas delações premiadas?

Da coluna de Inaldo Sampaio


PMDB fica mais forte no governo Câmara
Postado por Inaldo Sampaio

Coluna Fogo Cruzado

Paulo Câmara reformulou ontem a sua equipe, abrindo mais espaços para o PMDB no Governo do Estado a fim de compensar a saída do PSDB/Democratas da Frente Popular. Em passado recente, os principais aliados do PSB em nível nacional eram o PT e o PCdoB. Hoje, esses dois continuam unidos em defesa de Dilma Rousseff e na oposição a Michel Temer, ao passo que o PSB, por sua direção nacional, dá “apoio crítico” ao governo, do qual se recusou a participar. Eduardo Campos, que era agregador, conseguiu fazer em Pernambuco o que ninguém antes dele sequer sonhou: juntar no palanque de Paulo Câmara, em 2014, do PCdoB ao DEM. No entanto, como frentes muito amplas geralmente não se sustentam, PSDB/DEM foram excluídos do governo e, para compensar a saída de ambos, o governador ampliou o espaço do PMDB, dando-lhe a Secretaria do Trabalho, e acomodou no segundo escalão o PP, o PDT e o Solidariedade.

Para compensar a perda do PSDB/DEM, Paulo Câmara ampliou o espaço do PMDB e acomodou no governo PP, PDT e SD

Fronteiras abertas

Michel Temer reuniu os ministros Raul Jungmann (Defesa), José Serra (Relações Exteriores), Henrique Meirelles (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Alexandre Moraes (Justiça) para tratar de um assunto explosivo: os 15 mil km de fronteiras que o Brasil tem, completamente desprotegidos, o que facilita a entrada de drogas. Jungmann promete resolver a bronca, desde que lhe dêem os meios (dinheiro).

Frente – OPPL (Partido da Pátria Livre), sucedâneo do MR-8, foi a 12ª legenda a declarar apoio à reeleição de Geraldo Júlio (PSB), mas antes fez uma exigência: não coligar com o PSB na eleição proporcional. Se o fizer, seus dois candidatos a vereador, Alexandre Lacerda e Edna Costa, não têm chance de vitória.

Herdeiro – Antes de morrer, dois meses atrás, o ex-deputado Amaury Pinto (PR) aprovou a candidatura do filho, Marcelo, a vereador em Paulista pelo PSDB. O nº do filho será o mesmo que foi do pai: 45.300.

Golpe – Juliana Paranhos, presidente regional do PMB (Partido da Mulher Brasileira), dissolveu a comissão provisória de Petrolina. Será um partido a menos a apoiar Adalberto Cavalcanti (PTB) para prefeito.

Espaço – Eduardo da Fonte (PP) indicou o novo diretor do Porto do Recife (Flávio Gouveia) e teve participação direta na indicação do ex-ministro Gilberto Occhi (Integração) para presidente da Caixa Econômica.

Lepra – Independente de ser preso ou não pela Lava Jato, o ex-senador Sérgio Machado (PMDB-CE), que presidiu a Transpetro nos governos petistas, vai virar um leproso. Quem se arriscaria a visitá-lo sabendo que ele tem o péssimo hábito de gravar conversas reservadas e entregá-las ao Ministério Público?

Prensa – O deputado Ângelo Ferreira está quase cedendo às pressões do PSB para disputar a prefeitura de Sertânia. Vai para um retrocesso político e pessoal. Perderá a cadeira na Alepe e a chance de eleger-se federal em 2018. A notícia é do agrado de Zeca Cavalcanti (PTB), que não terá concorrente na região em 2018.

Cadeira – Próxima segunda, Danilo Cabral reassumirá sua cadeira na Câmara com a missão de reaproximar a bancada federal do PSB das teses históricas do partido. Pernambuco tem ¼ da bancada, mas corre o risco de perder a sua hegemonia na renovação do diretório nacional prevista para 2017. Essa hegemonia foi incontrastável nas gestões de Arraes e Eduardo Campos. Hoje, com Carlos Siqueira no comando, nem tanto.

Em resposta a Renan, Mendonça Filho diz que sua oposição ao PT incomodou






O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), afirmou na tarde desta quinta-feira (26) que “a gravação comprova que sua atuação como líder oposicionista ao governo do PT incomodou”.




Em nota, disse ainda que “seu papel nunca foi de dono da verdade, mas de fiscalizar e apontar as irregularidades do governo.”

» Veja o trecho da gravação divulgado em reportagem da TV Globo:

Machado – O Aécio é vulnerabilíssimo. Vulnerabilíssimo. Há muito tempo! Como é que você tem cara de pau Renan, aquele cara Pauderney (Avelino, líder do DEM na Câmara) que agora virou herói. Um cara mais corrupto que aquele não existe, Pauderney Avelino.

Renan – Pauderney Avelino, Mendoncinha (Mendonça Filho)

Machado – Mendoncinha (Mendonça Filho), todo mundo pô? Que merda é essa querer ser agora dono da verdade? O Zé (Zé Agripino) é outro que pode ser parceiro, não é possível que ele vá fazer maluquice.

Renan – O Zé nós combinamos de botá-lo na roda. Eu disse ao Aécio e ao Serra. Que no próximo encontro que a gente tiver tem que botar o Zé Agripino e o Fernando Bezerra. Eu acho.

Danilo Cabral pede ajuda de parlamentares e faz balanço de ações



Publicado por Branca Alves


(Foto: Carol Brito/Folha de Pernambuco)

De saída do Executivo estadual para reassumir mandato na Câmara dos Deputados, Danilo Cabral (PSB) discursou, na manhã desta quinta-feira (26), pediu ajuda aos parlamentares e fez um balanço das suas passagens pelas secretarias de Educação, Cidades e Planejamento.

Segundo Danilo Cabral, a pauta de Brasília é uma “nova velha agenda” que precisa ser discutida. Além disso, segundo o deputado, precisam ser discutidos os ajustes necessários, além dos cortes que precisam ser feitos, mas preservando as conquistas do povo brasileiro.

Para Cabral, qualquer iniciativa que venha a afetar os direitos dos trabalhadores brasileiros serão repudiados. “Não somos contra nem a favor do atual Governo, somos a favor do povo brasileiro”, afirmou.

O socialista disse, ainda, que leva para Brasília os interesses do povo brasileiro e do Estado de Pernambuco, e que o governador Paulo Câmara (PSB) sabe que pode contar com sua ajuda na Câmara.

Com informações de Carol Brito, da Folha de Pernambuco.

Na crise, meta ambiciosa e foco na Educação


Publicado por Branca Alves

Por Renata Bezerra de Melo
Da Coluna Folha Política

Independente das turbulências pelas quais passa o País na política e da crise econômica, a meta da gestão Paulo Câmara para a área de Educação é ambiciosa: chegar ao fim do governo, apresentando a melhor educação pública do Brasil. Se há contingenciamento em várias áreas, a Educação é a pasta que contabiliza, hoje, mais obras no Estado. Para o mês de junho, está previsto lançamento de novo projeto que deve representar um passo a mais na caminhada rumo ao primeiro lugar no ranking do Ideb, referente ao Ensino Médio. Hoje, o Estado ocupa a quarta colocação. O governo está montando times para fazer um piloto com algumas prefeituras, visando a uma expansão posterior. A lógica da iniciativa é ajudar municípios a incrementar o resultado da Educação nas redes municipais para melhorar, consequentemente, os índices no Estado. “Os municípios já foram selecionados”, adianta Paulo Câmara à coluna. E detalha: “A gente está com trabalho forte agora, buscando uma integração maior com os municípios. Essa integração ensino fundamental/ensino médio é adequada, porque os alunos têm que chegar cada vez melhores no ensino fundamental para que o ensino médio possa crescer da forma como a gente quer que cresça”. Em 2007, Pernambuco figurava na 21ª posição no ranking do Ideb, chegou à 4ª e tem, até, 2018, para subir ao primeiro lugar das 27 unidades da federação. Em razão disso, na mudança recente, realizada, em seu primeiro escalão, o governador não cogitou trocar de função o secretário da Educação, Fred Amâncio.

Municípios já foram selecionados para piloto


(Foto: Aluisio Moreira/Divulgação)

Negócios à parte
A despeito de o Democratas, partido do ministro da Educação, Mendonça Filho, ter saído, recentemente, da gestão estadual por iniciativa do governador Paulo Câmara, ele mesmo aconselhou seu secretário, Fred Amâncio, a comparecer à posse de Mendonça. “Fui à cerimônia de posse. Inclusive, o governador recomendou: `Vá Fred!`”, registra o auxiliar.

Certeza > O secretário ainda não teve audiência com o ministro. Conversaram um pouco na solenidade, em Brasília. “Mas não tenho nenhuma dúvida de que a gente vai sempre ter bom acesso ao Ministério da Educação”, observa Fred, definindo Mendonça Filho como uma “pessoa séria”.

Recursos 1 > Fred, entretanto, registra que mais “estratégico” para o Estado do que o Ministério é o nome que comandará o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Como funciona? “Todo recurso circula pelo FNDE, que tem um conjunto de regras técnicas e uma série de burocracia interna. Funciona até em outro prédio, é quase que autônomo em relação ao ministério”, explica o secretário.

Recursos 2 > Ainda não ficou decidido quem comandará o fundo, que é responsável por liberar recursos das escolas técnicas, por exemplo. Do ano passado para cá, Paulo Câmara inaugurou sete escolas técnicas. Hoje, inaugura mais uma, em São Lourenço da Mata.

Sinais > Secretário de Agricultura, Nilton Mota foi mantido, por Paulo Câmara, em seu primeiro escalão, a despeito da reformulação formalizada ontem. Já Ana Célia Farias, outro nome que figura como pré-candidata a prefeita de Surubim, deixou o comando da Secretaria de Assistência Social – executiva da pasta de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude – já faz alguns dias.

Páreo > Além de Nilton Mota e Ana Célia Farias, figuram como pré-candidatos na cidade ainda: Fabrício Brito, atual presidente da Câmara de Vereadores, Fábio Barbosa, vice-prefeito e o próprio prefeito, Túlio Vieira, que concorre à reeleição.

Bastidor > Antes da posse dos secretários, Paulo Câmara recebeu o deputado Romário Dias com quem conversou, por mais de uma hora, sobre a política dos municípios pernambucanos. Também levou demandas de Correntes, João Alfredo, Lagoa do Ouro, Paudalho e Serrita.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Entrevista com Jânio Arruda!








Exibida na Linha do tempoNesta quinta-feira (26), às 11h da manhã, participarei do programa Cidade em Foco, onde serei entrevistado pelo radialista Alberes Xavier. Vamos falar sobre o ano eleitoral e os desafios para o futuro da nossa querida Taquaritinga do Norte. O programa pode ser ouvido pelas rádios Filadélfia FM (http://www.filadelfiafm.net/aovivo.php), Rádio Vale do Capibaribe AM (http://www.valeam.com/) e Rádio Farol FM (http://farolfm.com.br/aovivo.php). Conto com a sua audiência! —

Frase do dia

É um delator, cretino, bandido da mais alta periculosidade.

Cásio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado, sobre Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro

Charge do dia


Aniversariante do dia

Nossos parabéns para Amanda Mayara que completa idade nova nesta data.


Aniversariante do dia

Nossos parabéns para Marli Silva  que faz idade nova nesta data.