Carregando...

domingo, 23 de novembro de 2014

ATENÇÃO TAQUARITINGA - TCE ALERTA CONTRA A MÁ GESTÃO FISCAL

TAQUARITINGA É UM DOS MUNICÍPIO QUE MÁ GESTÃO FISCAL É "REGRA" NA ADMINISTRAÇÃO EVILÁSIO ARAÚJO.
 


Do Jornal do Commercio deste sábado (22)
Por Ulysses Gadelha, repórter do JC

Apesar dos prefeitos reclamarem de uma crise que prejudicou suas contas neste fim de 2014, o problema da gestão fiscal incomoda municípios pernambucanos há pelo menos três anos.

Durante a semana, o JC divulgou levantamento feito pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE) mostrando que hoje 97 municípios estão acima do limite de comprometimento com despesa de pessoal.

No entanto, em 2012, 103 cidades estavam nesta situação e em 2013 eram 118 prefeituras no vermelho. Para o procurador do Ministério Público de Contas (MPCO), Cristiano Pimentel, o problema é causado pela má gestão da receita, mas também é devido à conflituosa relação entre União e municípios.

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) estabelece o limite de alerta (48,60%), prudencial (51,30%) e o máximo (54%) para gasto com o quadro funcional. A lei ainda dá subsídios para o gestor enquadrar seu orçamento, caso as contas fiquem irregulares. Se o município ultrapassar o limite de 54%, tem dois quadrimestres para readequar o gasto. Caso o crescimento da economia seja baixo (menos de 1%, como está ocorrendo), o prazo é dobrado para quatro quadrimestres.

Algumas prefeituras apresentaram altos índices de despesa de pessoal em 2013, quando o mandato atual se iniciou. Esse é o caso de Pedra, no Agreste, onde o gasto com a folha era de 52% em 2012, na gestão de Francisco Braz (PR), e subiu para 68% em 2013, caindo para 67% neste ano, com José Tenório Vaz (PTB).

Há casos como o de Nazaré da Mata, que está sob a gestão de Nado (PTB) desde 2008. Segundo o TCE, em 2011, Nazaré comprometia 66% da receita com pessoal, em 2012, subiu para 80%, em 2013, tinha 76% e manteve o percentual este ano.

Houve ainda casos extremos como Custódia, que chegou a comprometer mais que o orçamento em 2011, quando o prefeito era Nemias (PSB) e o município apresentou 112% de comprometimento com despesa de pessoal. Hoje, sob o comando de outro grupo político, liderado pelo prefeito Dr. Carlos (PT), a cidade ainda gasta 69% da sua receita com folha de pagamento.

A frequente aparição destes municípios na lista de irregularidades do TCE pode trazer prejuízos para a população, já que a prefeitura fica impedida de manter convênios com o governo do Estado e com a União, além de não poder receber transferências voluntárias. Em Moreno, por exemplo, o prefeito Adilson Gomes Filho (PSB) contou que as obras do corredor de ônibus da cidade poderiam ser paralisadas devido à irregularidade na LRF, já que o projeto é fruto de convênio com o Estado.

Segundo o procurador Cristiano Pimentel, o problema de 2014 foi agravado por atrasos no repasse de verbas dos programas federais, o que ampliou o descontrole dos prefeitos. “Os gestores acabam descobrindo um santo para cobrir outro. Faz paliativo, atrasa pagamentos, diz que não vai pagar o 13º. Não bastasse isso, muitas vezes a prefeitura é o único empregador do município”, relata.

Municípios de grande porte, como o Recife, conseguem manter esse percentual dentro do recomendado. Em 2012, com João da Costa (PT), o gasto era de 42%, subindo para 45% no primeiro ano de Geraldo Julio (PSB). Em 2014, o socialista reduziu o gasto para 44%.

ANIVERSARIANTE MACIEL

NOSSOS PARABÉNS, E NOSSAS HOMENAGENS PARA O AMIGO MACIEL SANTANA,  QUE COMPLETOU IDADE NOVA NESTE SÁBADO. GRANDE ABRAÇO.


ANIVERSARIANTE DO DIA



NOSSAS HOMENAGENS E NOSSOS PARABÉNS PARA MAURA NASCIMENTO QUE ANIVERSARIA NESTA DATA!




ANIVERSARIANTE DO DIA

NOSSOS PARABÉNS PARA O AMIGO E LEITOR DO BLOG SALATIEL TAVARES QUE COMPLETA IDADE NOVA NESTA DATA.



FRASE DO DIA

"Prisão domiciliar já constitui verdadeiro abrandamento". 
Juiz Nelson Ferreira Junior, sobre novos pedidos de viagem a trabalho de Delúbio Soares

CHARGE DO DIA


Mamãe Noel!

Josias de Souza


- Charge do Paixão, via Gazeta do Povo.

PORQUE HOJE É DOMINGO

 FERNANDA DE FREITAS TROCA BEIJOS COM NAMORADO NA PRAIA DA BARRA
Atriz aproveitou o feriado carioca, nesta quinta-feira, dia 20, para pegar sol, se alongar e namorar muito nas areias do Rio de Janeiro. Confira fotos!

do EGO, no Rio

A atriz Fernanda de Freitas aproveitou o feriado para curtir o dia de sol no Rio de Janeiro. Nesta quinta-feira, dia 20, a loira andou de bicicleta pela orla da Barra da Tijuca, se alongou na areia e trocou beijos apaixonados com o namorado. Com bíquini de cortininha, ela mostrou suas curvas sequinhas e barriga chapada.
EGO NAS REDES SOCIAIS

 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)

 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)
 
Fernanda de Freitas na praia (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)

 
Fernanda de Freitas na orla (Foto: Wallace Barbosa / AgNews)

QUINZE ANOS DEPOIS


Procuradores da República concluíram, na semana que passou, virem de pelo menos quinze anos os desvios na Petrobras em termos de superfaturamento de contratos, exigência de propinas e envio de milhões para contas no exterior, além do execrável condomínio com as empreiteiras na hora de arrombar os cofres públicos. Lembrando também a participação da banda podre dos políticos.

A presidente Dilma tem sua culpa, aliás imensa, mas seria bom não esquecer que a lambança começou antes de sua eleição, ainda com Fernando Henrique, depois com o Lula, se é que não vem dos tempos da fundação da estatal.

Adianta pouco falar de prescrições judiciais, pois o que fica é a mancha de vastas proporções nos negócios da maior empresa nacional. Só uma intervenção profunda poderia recuperar a imagem da Petrobras, bem como salvar o país da perspectiva da desmoralização e da bancarrota.(Carlos Chagas).
 
DO BLOG DE MAGNO MARTINS. 

MÚCIO, RELATOR DA LAVA JATO: "PF TEM FEITO MUITO CHARME"




Gabriel Garcia - Blog do Noblat

Quatro perguntas para o novo relator no Tribunal de Contas da União dos processos da operação policial que desvenda o maior caso de corrupção da História do país:

Ministro, como ficarão os processos da Lava Jato no Tribunal de Contas da União?

A partir de primeiro de janeiro, eu ficarei responsável por todos os processos relacionados à Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Os processos da Petrobras em andamento, relatados por José Jorge, ficarão com o sucessor dele. Na realidade, tais processos estão do meio para o fim – provavelmente o sucessor será o (senador) Vital do Rêgo (PMDB-PB). Tudo indica que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fará o segundo o ministro.

Como o ministro José Múcio encara a Lava Jato?

Acho que foi um processo necessário, doloroso. Repito muito uma frase do filósofo Friedrich Nietzsche: do caos nasce a luz. Vivemos um caos, acho que muita coisa ainda virá, mas temos que ter cuidado para não trazer a emoção para o processo, para não cometer injustiça, que pode ser de dois tipos: pôr inocente na cadeia ou pôr bandido em liberdade.

Os políticos andam preocupados?

Estamos vivendo um clima desagradável. Ninguém sabe quem está na lista. Acho que Polícia Federal tem feito muito charme. A polícia já deveria ter soltado a lista com os nomes dos políticos envolvidos. Vai deixar para soltar lá para frente, perto do Natal.

O senhor acredita em envolvimento do ex-presidente Lula e da presidente Dilma?

Não temos como prever neste momento. Uma delação premiada é imprevisível. O cara, para livrar a pele dele, faz qualquer coisa. Se tivéssemos no Brasil o crime de perjúrio, você poderia ficar mais confortável. Na Itália, o cara paga quando ele mente. Aqui funciona diferente. O criminoso para livrar a pele acusa outras pessoas. Vou ter que fazer essa depuração. Tudo de Petrobras, qualquer processo. Esses processos só terão curso em janeiro.

LAVA JATO: 250 PARLAMENTARES CITADOS COMO ENVOLVIDOS


Além de funcionários da Petrobras e grandes empreiteiros, 250 parlamentares teriam sido citados pelos delatores da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. O número foi divulgado pelo colunista Felipe Patury. Com o avanço das investigações e a divulgação de trechos dos depoimentos de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, a expectativa é que a lista vá se tornando conhecida.

A tese da oposição de vincular o escândalo ao PT já não tem eficácia. Dois depoentes – o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco e Fernando Baiano – de admitiram que suas práticas criminosas vinham desde a era FHC. Barusco explicou aos investigadores por que conseguiu acumular uma fortuna tão expressiva – ele prometeu devolver US$ 100 milhões aos cofres públicos: desviava dinheiro da estatal desde 1996, segundo ano do primeiro mandato do ex-presidente tucano.

MUNICIPALIZAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DEBATE NO RECIFE



Publicado por Márcio Didier

Como o prazo final para a transferência da responsabilidade da iluminação pública para os municípios chegando ao fim, um encontro no Recife vai tratar da questão.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) emitiu resolução estabelecendo que 31 de dezembro de 2014 é o prazo final para que o serviço de iluminação pública fosse transferido para os municípios, assim como sua operação.

No entanto, os municípios estão tendo muitas dificuldades para cumprir a determinação.

Diante dessa perspectiva ocorre nesta segunda-feira (24), no Golden Tulip, e Boa Viagem, o “Fórum Iluminação Pública do Nordeste”, que vai tratar sobre a municipalização da iluminação pública e é voltado para gestores municipais.

Entre os palestrantes do Fórum estão Alfredo Gioielli, advogado especializado no setor de iluminação, Antônio Barbosa, diretor-presidente da EMLURB, Américo Couto, procurador do município Recife/PE, José Patriota, presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (AMUPE), Alfredo Serejo, coordenador de Iluminação Pública de Fortaleza, entre outros.

Mais de 50 pessoas entre prefeitos e gestores de iluminação já confirmaram presença.

FEM SOB RISCO FINANCEIRO

Publicado  por Marcela Balbino 
 

Do Jornal do Commercio deste sábado (22)
Por Jumariana Oliveira, repórter do JC

Os problemas envolvendo o andamento das obras relacionados ao Fundo Estadual de Apoio aos Municípios (FEM) fez acender o sinal de alerta no Palácio do Campo das Princesas. O governador João Lyra Neto (PSB) enviou, na última quinta-feira, um projeto de lei alterando a redação do texto que institui o FEM.

Na proposta, o governador pede que seja retirada a obrigatoriedade do repasse do Fundo Rodoviário, Ferroviário e Aquaviário de Pernambuco (Furpe) ao FEM. Deste modo, uma das principais fontes de recursos do programa não repassará mais valores mensais para financiar o Fundo, caso o projeto seja aprovado na Alepe.

De acordo com a lei 14.921/2013, o FEM seria composto por 50% das verbas do Furpe. A obrigatoriedade do repasse mensal está prevista no sexto parágrafo do artigo 2, que trata sobre as receitas que constituem o FEM. No texto encaminhado em regime de urgência à Assembleia, o governo estadual pede que as transferências sejam “meramente facultativas”. Desta forma, o Estado não terá mais uma fonte específica de recursos, o que pode ameaçar a continuidade do programa.

De acordo com a Lei Orçamentária Anual (LOA) referente ao ano de 2014, a previsão de recursos para o Furpe este ano era de R$ 276 milhões. Já LOA de 2013 tinha como meta transferir R$ 180 milhões para o Fundo Rodoviário. Pela lei atual, 50% desses valores deveriam ser repassados para financiar os projetos do FEM, o que revela que esta é a principal fonte de recursos do programa. Em 2013, o montante do fundo municipal foi de R$ 228 milhões e este ano chegou aos R$ 241 milhões.

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), que é responsável pelo gerenciamento do programa, disse que não haverá impacto para as prefeituras. O órgão informou que os valores dos repasses estão mantidos e explicou que a alteração ocorreu porque a lei foi criada em 2013 e que o repasse do Furpe era específico para aquele ano. A Seplag não explicou de onde os recursos para o FEM serão retirados. Disse apenas que as verbas sairão do Tesouro estadual.

O FEM foi criado em 2013 pelo governo estadual com o objetivo de fazer o repasse de verbas para municípios de forma desburocratizada. Presidente da Associação Municipalista de Pernambuco, o prefeito José Patriota (PSB) preferiu não tecer comentários sobre o projeto. “Vou me inteirar do assunto. Não adianta falar sem saber do que se trata”, disse. Ele ainda afirmou que depois de avaliar o conteúdo do projeto, irá marcar um encontro com o governador eleito Paulo Câmara (PSB) para apresentar demandas dos prefeitos pernambucanos.

EM DEPOIMENTO, PAULO ROBERTO COSTA DIZ QUE HUMBERTO RECEBEU R$ 1 MILHÃO EM ESQUEMA DE FRAUDE

 por Marcela Balbino


Foto: PT no Senado

Um dos principais envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras, o ex-diretor de Abastecimento da empresa, o engenheiro Paulo Roberto Costa, disse em depoimento à Justiça que o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, teria recebido R$ 1 milhão no sistema de corrupção envolvendo a estatal. A informação integra a edição deste domingo (23) do jornal O Estado de S. Paulo, que já está sendo comercializada.

A referência ao senador pernambucano, segundo o jornal, foi feita em depoimento sigiloso e é parte integrante da delação premiada assinada pelo ex-diretor. A manobra é uma alternativa para que Paulo Roberto Costa consiga atenuar a pena.

Na delação, o ex-diretor da Petrobras explica que o dinheiro foi solicitado a Humberto Costa pelo presidente da Associação das Empresas do Estado de Pernambuco (Assimpra), Mário Barbosa Beltrão. Visando a redução da pena, Paulo Roberto não soube explicar como ocorreu o repasse, mas disse que o dinheiro saiu da cota de 1% do PP.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, neste sábado (22), Humberto rebateu as acusações afirmando que elas são “fantasiosas” e afirmou que soltaria uma nota explicativa neste domingo (23).

Segundo o senador, ele teria recebido, na campanha de 2010, R$ 150 mil em doações feitas pelo empresário Mário Barbosa Beltrão, de quem é amigo desde a adolescência.

A reportagem do Blog entrou em contato com a assessoria do parlamentar, mas nada foi adiantado sobre o conteúdo do texto.

HUMBERTO OFERECE ABERTURA DOS SIGILOS BANCÁRIO, FISCAL E TELEFÔNICO PARA PROVAR QUE NÃO RECEBEU R$ 1 MILHÃO DE DESVIOS NA PETROBRAS

por Paulo Veras



Foto: Agência Senado

Em nova divulgada na madrugada deste domingo (23), o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, nega que tenha recebido R$ 1 milhão do esquema de desvio de dinheiro da Petrobras através do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, e coloca à disposição de todos os órgãos que atuam na investigação do caso a abertura de seus sigilos bancário, fiscal e telefônico.

“Tenho uma vida pública pautada pela honradez e seriedade, não respondendo a qualquer ação criminal, civil ou administrativa”, diz o senador no texto.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, afirma que Paulo Roberto Costa teria denunciado o pagamento de R$ 1 milhão a Humberto em um dos depoimentos que ele tem feito em seu processo de delação premiada.

“Sou defensor da apuração de todas as denúncias que envolvam a Petrobras ou qualquer outro órgão do Governo. Porém, entendo que isso deve ser feito com o cuidado de não macular a honra e a dignidade de pessoas idôneas. O fato de o sr. Paulo Roberto estar incluído em um processo de delação premiada não dá a todas as suas denúncias o condão de expressar a realidade dos fatos”, rebate o senador, na nota.

De acordo com o jornal, o dinheiro para o senador teria solicitado pelo presidente da Associação das Empresas do Estado de Pernambuco (Assimpra), Mário Barbosa Beltrão. Paulo Roberto Costa não soube explicar como foi feito o repasse e disse apenas que ele saiu da cota de 1% destinada a políticos do PP.

No texto, Humberto afirma que conheceu o ex-diretor da Petrobras em 2004, mas que sua relação com ele foi estritamente institucional, durante o processo de implantação da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) em Pernambuco. A Rnest é um dos focos de desvio da estatal.

O senador petista também afirma ser amigo de infância de Mário Beltrão, que teria ajudado a trabalhar pela instalação da refinaria. “Porém, em nenhum momento eu o pedi e ele muito menos exerceu o papel de solicitar recursos ao Sr. Paulo Roberto para a campanha ao Senado de 2010″, afirma.

Na nota, Humberto diz que a denúncia “padece de consistência” ao afirmar que a doação teria sido financiada pelo PP, por não haver razão que justificasse o apoio de outro partido à sua campanha. Ele também nega que tivesse influência para ameaçar demitir Paulo Roberto Costa da Petrobras, caso não recebesse o valor solicitado.

“Mais inverossímil ainda é a versão de que se o sr. Paulo Roberto não tivesse autorizado tal doação, correria o risco de ser demitido, como se eu, à época sem mandato e tão somente candidato a uma vaga ao Senado, tivesse poder de causar a demissão de um diretor da Petrobrás”, afirma o senador.

HISTÓRICO – Humberto Costa já foi alvo de denúncias de corrupção quando era ministro da Saúde no governo do ex-presidente Lula (PT). Durante a sua gestão, a Polícia Federal realizou a Operação Vampiro, que detonou um esquema de fraudes na contratação de hemoderivados pela pasta. Humberto chegou a ser denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF), mas foi absolvido em 2010 pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) por unanimidade.

Humberto Costa também foi citado no Escândalo das Sanguessugas, que desviava dinheiro da compra de ambulâncias pelo Ministério da Saúde. Como ministro, ele havia sido alertado pela Controladoria Geral da União (CGU) sobre os contratos. Na ocasião, o petista também ofereceu a abertura de seus sigilos telefônico, fiscal e bancário, para comprovar que não estava envolvido. O petista não chegou a ser denunciado pelo escândalo.

Os dois escândalos foram fartamente utilizados contra Humberto na campanha de 2006, quando ele disputou o Governo de Pernambuco e perdeu no primeiro turno, com 25% dos votos. O eleito naquele ano foi o ex-governador Eduardo Campos, falecido em agosto enquanto disputava a Presidência da República pelo PSB.

Em 2010, com o apoio de Campos, Humberto foi eleito senador com mais de 3 milhões de votos. Dois anos depois, o petista concorreu à Prefeitura do Recife e ficou em terceiro lugar, com apenas 17,4% do eleitorado. Quem se elegeu foi o atual prefeito da cidade, Geraldo Julio (PSB), cuja candidatura marcou o início do rompimento de Campos com o PT em Pernambuco.

Leia a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em relação à publicação do jornal o Estado de São Paulo deste domingo que relata supostas acusações do sr. Paulo Roberto Costa dirigidas a mim em delação premiada, afirmo que:,

1. Todas as doações de campanha que recebi na minha candidatura ao senado em 2010 foram feitas de forma legal, transparente, devidamente declaradas e registradas em minha prestação de contas à justiça eleitoral e inteiramente aprovadas, estando disponíveis a quem queira acessá-las;

2. Assim, nego veementemente ter pedido a quem quer que seja que solicitasse qualquer doação de campanha ao sr. Paulo Roberto;

3. Tal denúncia padece de consistência quando afirma que a suposta doação à campanha teria sido determinada pelo Partido Progressista (PP) por não haver qualquer razão que justificasse o apoio financeiro de outro partido à minha campanha;

4. Mais inverossímil ainda é a versão de que se o sr. Paulo Roberto não tivesse autorizado tal doação, correria o risco de ser demitido, como se eu, à época sem mandato e tão somente candidato a uma vaga ao Senado, tivesse poder de causar a demissão de um diretor da Petrobrás;

5. Causa espécie o fato de que ao afirmar a existência de tal doação, o sr. Paulo Roberto não apresente qualquer prova, não sabendo dizer a origem do dinheiro, quem fez a doação, de que maneira e quem teria recebido;

6. Conheci o sr. Paulo Roberto em 2004 e minha relação com ele se deu no campo institucional, no processo de implantação da refinaria de petróleo em Pernambuco, do qual participei assim como vários políticos, empresários e representantes de outros segmentos da sociedade pernambucana o fizeram;

7. Conheço e sou amigo de infância do sr. Mário Beltrão, presidente da Associação das Empresas do Estado de Pernambuco (ASSINPRA), que também foi partícipe da mesma luta pela refinaria. Porém, em nenhum momento eu o pedi e ele muito menos exerceu o papel de solicitar recursos ao Sr. Paulo Roberto para a campanha ao Senado de 2010.

8. Tenho uma vida pública pautada pela honradez e seriedade, não respondendo a qualquer ação criminal, civil ou administrativa por atos realizados ao longo de minha vida pública;

9. Sou defensor da apuração de todas as denúncias que envolvam a Petrobras ou qualquer outro órgão do Governo. Porém, entendo que isso deve ser feito com o cuidado de não macular a honra e a dignidade de pessoas idôneas. O fato de o sr. Paulo Roberto estar incluído em um processo de delação premiada não dá a todas as suas denúncias o condão de expressar a realidade dos fatos.

10. Aguardo com absoluta tranquilidade o pronunciamento da Procuradoria-Geral da República sobre o teor de tais afirmações, ocasião em que serão inteiramente desqualificadas. Quando então, tomarei as medidas cabíveis.

11. Informo ainda que me coloco inteiramente à disposição de todos os órgãos de investigação afetos a esse caso para quaisquer esclarecimentos e, antecipadamente, disponibilizo a abertura dos meus sigilos bancário, fiscal e telefônico.

Recife, 22 de novembro de 2014,

Humberto Costa
Senador da República

DILMA AGORA FRITA MINISTROS ANTES DE NOMEÁ-LOS

Josias de Souza


Dilma Rousseff tornou-se uma mandatária sui generis. Tem dois ministros da Fazenda e não tem nenhum. Guido Mantega foi demitido em setembro. E permanece no cargo como um ministro cenográfico. Joaquim Levy foi convidado nesta sexta-feira (21). Mas seu nome não foi anunciado formalmente. A presidente já tinha avisado que, reeleita, seria a mudança de si mesma. Mas ninguém suspeitou que tentaria compensar a carência de miolos na área econômica com o excesso de cabeças.

Lula aconselhara Dilma a apressar a escalação do seu time econômico, para disputar com o petrolão o espaço nas manchetes. A pupila deu ouvidos ao patrono. Mas conduziu o processo à sua maneira. Inovadora, levou o novo titular da Fazenda à frigideira antes mesmo de nomeá-lo. Maquiavel não teria feito melhor. Nunca nenhum presidente fizera o mal tão bem.

Para a Fazenda, Dilma chamou o preferido de Lula: Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco. Que refugou o convite. Além de deixar boquiabertos Armínio Fraga e Neca Setúbal, a presidenta informou para Joaquim Levy, hoje também um executivo do Bradesco, que ele não era sua primeira opção. O mercado festejou mesmo assim. A Bolsa chegou a subir cinco pontos.

Na pasta do Planejamento, Dilma decidiu acomodar Nelson Barbosa, que sonhava com a Fazenda. No Banco Central, manteve Alexandre Tombini, que também vinha sendo estimulado a acalentar a perspectiva de virar o novo Mantega. Consumada a escalação, armou-se no Planalto o palco para o anúncio. A imprensa mobilizou-se.

Súbito, Dilma mandou dizer que decidira adiar a formalização de suas escolhas. Por quê? Sabe Deus! Talvez queira dar ao PT, crítico feroz do pensamento médio de Joaquim Levy, a oportunidade de bombardeá-lo por uma semana.

Ficou entendido que, antes de tomar uma decisão tão importante quanto a escolha da equipe que vai gerir a herança perversa deixada pela velha Dilma, a nova Dilma pensa duas vezes, analisa todas as possibilidades, consulta o Lula… Uma vez tomadas as decisões, faz o contrário. Ou faz aquilo mesmo que decidiu. Pouco importa. Tudo é ocasional. Certo mesmo só o novo gosto da presidente. Ela agora prefere ministros bem tostadinhos.

LEVY PREGA APERTO DO TIPO QUE DESAGRADA ELEITOR


Josias de Souza
Convidado por Dilma Rousseff para comandar a pasta da Fazenda, Joaquim Levy escreveu há nove meses um artigo que dá ideia do tipo de ministro que pretende ser. No texto, disponível aqui, ele contestou a tese segundo a qual a indústria brasileira definha porque o câmbio está sobrevalorizado. O verdadeiro enrosco, escreveu, é a política fiscal.

Para ele, os políticos não ignoram o que deve ser feito em matéria econômica. Porém, “na maior parte dos países, a correção em geral só acontece depois de um bom susto ou uma crise”. Por quê? Simples: “Porque aperto fiscal, ter menos programas e novidades, não satisfaz nenhum governante e agrada poucos eleitores.”

O convite a Levy distanciou um pouco mais a presidente daquela candidata que cobrava do rival Aécio Neves explicações sobre as “medidas impopulares” que prometia adotar e fustigava Marina Silva por sua proximidade com Neca Setúbal, herdeira do banco Itau. Diretor da administradora de investimentos do Bradesco, Levy é mais “banqueiro'' do que a educadora Neca.

O virtual substituto de Guido Mantega defendeu no artigo tripé macroeconômico adotado sob FHC. Acha que ele reconhece que “as políticas monetária e fiscal e o câmbio andam juntos”. Sem meias palavras, escreveu: “Menos gasto do governo ajuda a fazer os juros caírem, desestimulando o excesso de entradas de capital e modulando o câmbio.”

Secretário do Tesouro Nacional no primeiro governo de Lula, Joaquim Levy ajudou a produzir a sucessão de superávits que apagou a desconfiança que o ex-sindicalista do PT ateara nos mercados durante a sucessão de 2002. À frente de um governo que descumpre suas metas fiscais há dois anos, Dilma parece necessitar de um, digamos, ‘efeito Levy’ para tentar restaurar a credibilidade.

Resta saber até onde Dilma está disposta a suportar os efeitos da austeridade. Porque, como diz Levy, aperto fiscal “não satisfaz nenhum governante e agrada poucos eleitores.”

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

DIRETO DO BLOG DE JUNIOR ALBUQUERQUE


PARABÉNS PARA PAULO PEREIRA

Paulo Pereira Morus


Aprovado no Vestibular UNIFAVIP!
8º Lugar na classificação geral do curso de Publicidade de Propaganda.
E o melhor, atingi a nota total da redação.

Obrigado meu Deus!

TORITAMA CONTINUA A COMETER CRIME AMBIENTAL E PREJUDICANDO TAQUARITINGA



André Barbosa


Um show de irregularidades da prefeitura de Toritama, e da incapacidade de resolução do problema por parte dos representantes de Taquaritinga do Norte: Além da fumaça altamente tóxica causando risco a saúde de milhares de moradores, há pessoas trabalhando no local, inclusive menores além de uma máquina da prefeitura de Toritama revolvendo e ajustando o acumulo de resíduos no local para uma melhor queima conforme flagramos na tarde desta quinta feira.
NÓS VEREADORES DE TAQUARITINGA JÁ FIZEMOS TODAS AS TENTATIVAS DE RESOLVER O PROBLEMA CITADO ACIMA POR ANDRÉ BARBOSA, INCLUSIVE UMA DENÚNCIA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DE TORITAMA, QUE TOMOU ALGUMAS PROVIDÊNCIAS IMEDIATAS, MAS QUE LOGO DEPOIS A PREFEITURA DE TORITAMA VOLTOU A DESCUMPRIR O DETERMINADO PELO PROMOTOR DAQUELA CIDADE.
SÓ RESTA AGORA ACIONAR O MUNICÍPIO DE TORITAMA JUDICIALMENTE, CONFORME JÁ DENUNCIAMOS NA TRIBUNA DA CÂMARA DE VEREADORES.
É INACEITÁVEL O QUE A PREFEITURA DE TORITAMA ESTÁ FAZENDO COM O POVO DE TAQUARITINGA DO NORTE.

Jânio Arruda

FRASE DO DIA

No caso do mensalão, falávamos que estávamos julgando o maior caso de corrupção investigado e identificado. Agora, a Ação Penal 470 teria que ser julgada em juizado de pequenas causas pelo volume que está sendo revelado nesta questão.

Gilmar Mendes, ministro do STF, sobre o escândalo da Petrobras